Conto de Bondage.

É o primeiro dia de Maria no trabalho.
Sou muito exigente na contratação de domésticas. E Maria me pareceu muito dedicada. Uma mulher de uns trinta anos, forte e determinada.
Antes de sair de casa, passei uma lista de tarefas, como limpar a casa, preparar a janta, louça, etc.
E disse que o que mais ela encontrasse, poderia fazer, para me deixar feliz.
Agora retorno do trabalho.
Estou cansado, exausto. Ela já foi, mas deixou um bilhete em cima da mesa:



“Boa Noite.
Como o senhor pediu, limpei toda a casa, inclusive atrás da estante, que tinha muita poeira.
Preparei uma lasanha de presunto, com um frango assado, como o senhor falou que gosta.
Suas roupas estão secando no varal, todas limpas. Se o tempo colaborar amanhã retiro elas do varal e passo.
Por fim, encontrei algo que talvez o senhor goste. Estava no hall do prédio. Peguei e deixei em cima da cama. Se não apreciar, me avisa que não faço mais.
Até amanhã.”
Estou curioso.
Vou até o quarto, pensando no que ela poderia ter achado no hall do prédio que pudesse levar para a cama.
E quando eu entro no quarto, descubro que achei a minha doméstica perfeita. Amanhã ela ganhará um aumento substancial.
Na cama, de bruços, está uma das bundas mais bonitas que eu já vi. Não apenas bunda, mas uma buceta linda, aparadinha.


Uma mulher deliciosa, de corpo perfeito, está na minha cama, com os braços e pernas amarrados em cada um dos pés, em “X”. Está nua, à minha disposição, só preciso tirar meu pau da calça e enfiar, sem fazer esforço.
Quando ela nota minha presença vira o rosto e geme. Percebo então que ela não está completamente nua: tem uma fita adesiva tapando sua boca.
Maria pensou em tudo!
Como eu gosto!
Vou me divertir muito esta noite. Amanhã pedirei para ela se livrar dela e ver se me arruma uma ruiva, que sempre tive tesão em ruiva.
Mas hoje vou me divertir com a morena.
É difícil encontrar profissionais bons hoje em dia. Fui realmente sortudo!

powered by shantz-wp-prefix-suffix
Category: contos